segunda-feira, maio 14, 2007

Lisboa Ideal


Penso que repetir exaustivamente um processo, mais ou menos rotineiro, mais ou menos regular, ao longo de vários anos leva, inevitavelmente, a que se observe um acumular de histórias que interessam (pela sua vertente, ora pedagógica, ora lúdica) documentar e partilhar. Este blog é um espelho dessa necessidade e portanto aqui fica mais um episódio digno de nota, acerca de um infortúnio que aconteceu ao Sr. Houdini no passado fim de semana.
Faz algum tempo (não muito, em abono da verdade) que fomos contactados pela Alkantara (http://www.alkantara.pt) para figurarmos na programação de um evento denominado “Lisboa Ideal”. Este evento, na sua essência, visou recolher (numa primeira fase) e apresentar (numa segunda) opiniões de diversos quadrantes da cidade/sociedade quanto àquilo em que a capital nacional poderá ou poderia (num cenário mais desolador) melhorar.
O ambiente era bom. Ameaçava chuva mas não choveu. Havia caras interessantes e outras interessadas. Havia bancas de entidades/instituições daquelas que procuram um mundo melhor. Havia um auditório razoável a assistir às apresentações das propostas. E. Havia uma programação musical a acontecer num palco situado no Largo do Século em frente ao Instituto Superior de Dança (onde decorriam as conferências).
Até aqui tudo bem. Agendados para subir estavam os Dj´s Ricardo e Pedro, Dama Bete, Mister Lizard, Balla, Houdini Blues, Danae e Dj Jorge Vieira.
Às 17h (e picos) chegava eu e o João Pedro ao local, onde fizemos soundcheck à bateria ficando acordado que os restantes instrumentos fariam por volta das 22h (meia hora antes de subirmos ao palco). A situação não era a ideal (passo as expressão) mas era a possível. Mas. Entre as 17h e as 22h o guitarrista dos Mr. Lizard terá sofrido uma descarga eléctrica enquanto manuseava a sua guitarra, claro está – eléctrica. Apuradas as causas, descobria-se, enfim, que a instalação, mais uma vez – eléctrica, que alimentava o palco “não tinha ligação à terra, ou que a mesma não estava em condições”.
O Sr. Houdini, arrumada a sua arca das algemas, volvia a casa sem cumprir o acto. Pela primeira vez em (quase) 11 anos decidimos não correr o risco que nos é tão grato e recompensador, em nome da nossa integridade física. Ficámos tristes.

2 comentários:

Ricardo Houdini disse...

Um obrigado à Ana Paula Riscado; apesar de tudo não correr bem a atitude dela ajuda sem dúvida.
Fica para a próxima...

Ana disse...

Caros Houdinis,

...também fiquei muito triste (mesmo) e haverá com certeza uma próxima...no alkantara ou em outra produtora, mas certamente com a p...da vareta TERRA!!!

Um abraço a todos